Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alcatraz foi uma experiência perfeita em São Francisco

  A prisão de Alcatraz encerrou em 1963 mas manteve-se no imaginário dos Estados Unidos e no do resto do mundo sem grande problema. Para quem crescia em Portugal, na década de 90, era difícil fugir às referências da prisão mais famosa do mundo, à conta de filmes baseados no famoso rochedo que se decidiu sentar na baía de São Francisco. O nome é suficiente para impor respeito: Alcatraz. A ideia de uma prisão numa ilha nem sequer era nova – basta ver o que o Reino Unido (...)

Uma semana pelas Caraíbas - de cruzeiro

Confesso que tinha emoções contraditórias em relação ao nosso cruzeiro nas Caraíbas. Claro que estava entusiasmada - ou não o teria marcado e oferecido ao Rui como prenda de anos - mas, ao mesmo tempo, a incerteza sobre como correria aquela semana punha-me ligeiramente de pé atrás.   Tentei, quase exaustivamente, ler tudo o que consegui sobre o assunto. Corri fóruns e blogues especializados e li as várias notícias sobre a chegada do nosso barco (desculpem, navio) a Miami, (...)

Um aniversário no meio de blues em Chicago

Não dou muita importância aos meus anos. Há bastante tempo que as festas com amigos deixaram de ser costume, e tenho muitas outras ocasiões para jantar com a minha família. Não sinto necessidade de estar presente, e chateia-me solenemente o toque constante do telemóvel. Junta-se isto tudo à "vontade de comer" e, nos últimos anos, tenho tentado fazer os possíveis para estar sempre fora do país nessa data: não por querer estar fora "a festejar", mas por não querer estar ao (...)

Uma viagem ao passado à boleia da JFK Library

  “JFK” é nome de filme, de documentário, de monumento. Para os… menos crescidos, é uma figura que faz parte da história, sem estar demasiado próxima de nós. Afinal, o seu assassinato ocorreu há mais de 50 anos. Por isso mesmo, e apesar de saber da existência de uma biblioteca-museu em seu nome, e de ter alguma curiosidade, nunca pensei seriamente fazer o desvio – estando em Boston – para ir até lá. Os americanos têm esta tradição de ter uma biblioteca-museu em (...)

O circuito dos direitos civis em Atlanta

Senta-te ao balcão de um restaurante. Coloca os auscultadores nos ouvidos e assenta as duas mãos na bancada. Fecha os olhos. Ninguém te vem perguntar o que queres, se já foste atendido ou se estás à espera de alguém. As pessoas à tua volta desprezam-te mas não te ignoram. Longe disso: o único objetivo que têm é insultar-te, amedrontar-te… matar-te.   Durante mais de um minuto e meio, o único som que ouves saído dos auscultadores são as ameaças, os gritos, o arfar (...)

Uma manhã na Oak Alley Plantation

"Vão agora passar a Laura Plantation à vossa esquerda... e vão ver por que é que fizeram a escolha certa."   As palavras de Rick, o motorista que nos levava até à Oak Alley Plantation e que tinha acabado de deixar metade do nosso grupo numa plantação diferente, deixaram-nos em suspenso. Que raio haveria de especial em Oak Alley para que aqueles campos de aloé e cana de açúcar, que víamos ali ao lado, ficassem tão obviamente para segundo plano?   (Also available in English (...)

Abraçar a adversidade e ir à descoberta em Lyon

  As viagens são capazes de nos marcar pelas mais variadas razões. Podem não passar de pormenores avulso, sem grande impacto no balanço final, mas nem por isso deixam de se tornar num sinónimo automático sempre que nos lembramos de um destino.   (Also available in English) O dia em Lyon será lembrado para sempre como aquele em que decidimos que nunca daremos o nome de Dinis a um filho, (...)

O Imperdível de Los Angeles

  Há dias disseram-me: "Então diz-me lá do que gostaste em LA".   É um desafio fácil, mas difícil: dizer que Venice é adorável, que a Downtown é aquilo que nunca pensamos que Los Angeles possa ter, que Hollywood não está cheio de loucos e miúdas meio nuas e que Chinatown é outro mundo, onde se comunica mais facilmente em espanhol do que inglês, é a parte fácil. A parte difícil é explicar como é que isso me fez adorar uma cidade que, meses antes, me fazia revirar os (...)