Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

atlas de bolso

travel blog

Qui | 10.10.19

Guia para dois dias em Sapporo

 

Como é que se consegue aproveitar uma cidade que é o paraíso do inverno japonês e de cerveja… durante o verão, e sem beber? Fazer um guia de Sapporo não é simples, sobretudo para quem visitou a cidade da ilha de Hokkaido num fim-de-semana em que as ruas estavam invadidas pelos adeptos de râguebi, mas voltámos com um punhado de ideias que podem dar para todas as ocasiões… e interesses.

Vista sobre Sapporo de um dos palcos dos Jogos Olímpicos

 

Explorar a zona central com uma escapadela ao fim da tarde

Sapporo é uma cidade que encanta japoneses e estrangeiros quando há neve – não é por acaso que tem uma das estâncias de esqui mais conceituadas da Ásia e já organizou uns Jogos Olímpicos de Inverno – mas consegue manter uma beleza muito própria durante os outros meses.

O Odori Park é o coração verde no centro da ação. Se forem fãs de alturas, poderão subir ao topo da Torre da Televisão e ver a forma como aquela artéria repleta de árvores se estende, com prédios dos dois lados, até se perder num tribunal ao fundo, com as montanhas como cenário lá atrás.

A famosa Torre da Televisão

Os caminhos para explorar Sapporo podem ser labirínticos e alguns até são mais amigáveis feitos por baixo de terra. Como forma de proteção contra o inverno rigoroso, a cidade está munida de uma verdadeira avenida subterrânea, com lojas, sítios para comer e entradas diretas para edifícios de escritórios ou centros comerciais, desde a estação de Susukino até à estação de comboios central. Mais não seja, pode ser um trunfo importante para fazer este trajeto sem parar nos múltiplos semáforos e cruzamentos que existem na estrada.

Não muito longe do Odori Park está o Mercado de Nijo. Uma delícia para os fãs de comida japonesa, consegue ser muito concorrido nas horas próximas do almoço mas, para os verdadeiros fãs, o truque é chegar logo de manhã. As melhores bancas de caranguejo das neves esgotam normalmente o stock antes das 10h00. O que vos recomendamos é que não cheguem muito tarde, vejam o primeiro movimento do dia e, se for caso disso, comecem a aguçar o apetite com o que veem.

Uma das delícias para experimentar em Sapporo

Ainda no centro da cidade, poderão querer ver também a Torre do Relógio, uma estrutura mais antiga, sobretudo quando comparada com a Torre da Televisão, e que até faz lembrar o famoso edifício do Regresso ao Futuro. Se quiserem continuar para norte, vão encontrar ainda o Government Building, mais uma estrutura que nos remete para décadas passadas e com um excelente jardim para passar alguns minutos caso já sintam as pernas a vacilar.

A meio da tarde, se estiverem com vontade de uma escapadela, uma visita a Otaru pode ser uma excelente hipótese. A vila piscatória está a cerca de 40 minutos de Sapporo, por comboio, e o percurso é um mimo para os olhos. Com uma boa parte junto ao mar, poderão ficar rendidos à morfologia de Hokkaido, com montanhas a crescerem praticamente em cima da água e com cores muito próprias. Chegados a Otaru, basta seguir a avenida que desce até ao mar - aproveitem para fazer o percurso junto ao famoso canal, com edifícios antigos e bons sítios para comer. Dica: a viagem de barco, mesmo que tenha uma grande fila, pode não valer de muito. É um trajeto curto – nós fizemo-lo praticamente a pé – e não achámos que valesse o investimento.

Quando decidirem regressar a Sapporo, dependendo do sítio onde ficaram hospedados, poderão querer explorar a zona de Susukino. É o coração da noite de Sapporo, cheia de luzes e com espaços de diversão noturna para todos os gostos e feitios. Se ainda não tiverem jantado, também poderão encontrar muitos e bons restaurantes por aqui.

 

Desporto, vistas ou cerveja?

A nossa estadia em Sapporo foi “patrocinada” pelo Mundial de Râguebi, com os dois jogos a tomarem muito do nosso tempo. Mas nem por isso deixámos de polvilhar a visita com mais desporto, nomeadamente com a ida a um dos palcos dos Jogos Olímpicos de Inverno em 1972.

No Estádio Okurayama, onde se disputaram as provas de saltos de esqui, podem não só fazer a viagem de chair lift – um terror para quem tem vertigens – até ao topo e beneficiar da melhor vista que poderão desejar sobre Sapporo, como visitar o excelente Museu Olímpico.

Aqui, além da história da evolução dos Jogos Olímpicos de Inverno, e não só, poderão também testar vários simuladores que vão desde os saltos de esqui (um de nós fez 122 metros, cof, cof) ao bobsleigh, passando pelo cross country e pela patinagem de velocidade (um de nós pode, ou não, ter feito uma terrível figura num vídeo que nunca será partilhado). Nós somos fanáticos por desporto, é certo, mas vimos ali potencial de interesse para todas as pessoas.

Um dos simuladores disponíveis no Museu Olímpico

Há quem goste de ver desporto sempre acompanhado por cerveja fresquinha. Nós não bebemos, por isso não sentimos o chamamento para visitar o Museu da Sapporo Beer. Numa outra altura, talvez o tivéssemos feito de qualquer forma, mas entendemos que tentá-lo num fim-de-semana com milhares de australianos e ingleses poderia não ser o mais recomendado.

Se são fãs de vistas e de natureza, poderão também tentar dar um pulinho ao Moerenuma Park, um projeto de autor com algumas excentricidades, mas sempre numa simbiose perfeita com a natureza. Finalmente, não vale sair de Sapporo sem experimentar o tradicional ramen daquela cidade, feito à base de miso - e perfeito para aguentar o frio dos longos meses de inverno a norte. O local ideal para o fazer é a Ganso Ramen Yokocho - diz-se que é a «viela» onde nasceu esta versão da sopa. Um único aviso: os restaurantes têm quase todos entre seis e dez lugares, pelo que a fila pode ser grande, mas em princípio a espera não será demasiado longa.