Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

atlas de bolso

travel blog

Sex | 23.08.19

Uma viagem à capital dos Estados Unidos… com dois bónus

National Mall é um mimo para passear

Os tempos eram outros. Os Estados Unidos ainda não estavam no horizonte da Sarah e não foi (muito) fácil convencê-la a aceitar o desafio de ir a Washington. Quando nos conhecemos, eu tinha uma viagem praticamente anual para ir ver todo o tipo de desportos, mas precisei de mais de um ano para a seduzir a seguir o mesmo caminho (e eventualmente fazer crescer a semente que nos levou ao atlas de bolso).

Washington e Filadélfia eram duas das minhas prioridades. Como ficam relativamente perto um do outro, achámos que faria todo o sentido arranjar uma forma de juntá-los na mesma viagem. Foi nesse momento que a Sarah se impôs e mostrou um desejo: «Se é para ir aos Estados Unidos, não faz sentido que não passemos por Nova Iorque também».

Para ela, esse era o ponto de partida fulcral. (Passou-lhe rápido.)

Organizar a viagem aos Estados Unidos, a nossa primeira grande aventura fora da Europa juntos, foi diferente de tudo o resto. Para fazer as viagens entre as cidades, recorremos a uma cadeia de autocarros chamada Megabus que tinha conhecido dois anos antes. É uma low-cost bastante útil e, se pensarmos em tudo com antecipação, conseguimos encontrar bilhetes a dois dólares (pelo menos na altura esse era o valor mínimo: um dólar pela viagem e outro de taxas).

Decidimos fazer uma aventura de um dia em Filadélfia, com ida de madrugada e regresso ao final da tarde, e achámos que faria sentido passar uma noite em Nova Iorque, e assim ter praticamente dois dias completos na cidade. Escolher uma data em que houvesse rivalidade de basebol com um jogo entre os Yankees e os Red Sox foi… mais do que um mero detalhe.

O alojamento em Washington é caro mas conseguimos arranjar um negócio espetacular. O Airbnb ainda não estava tão na moda como agora e encontrámos uma espécie de cave renovada num bairro residencial não muito longe do Capitólio por bastante menos que um hotel. A escolha foi perfeita e o dono ainda nos quis devolver algum dinheiro por as obras junto à porta de entrada ainda não estarem terminadas durante a estadia. Não aceitámos, porque a estadia foi perfeita - e mereceu tudo o que pagámos por ela.

O resto… é história. Vimos muito desporto em Washington (NBA, NHL e MLB), ficámos deliciados com o National Mall e ainda hoje sentimos, cinco anos depois, que é uma das cidades mais bonitas dos Estados Unidos. Termos ido em abril, em pleno pico das cerejeiras em flor, também ajudou. Filadélfia e Nova Iorque também foram, à sua maneira, destinos marcantes.

A maior conclusão, ainda assim, foi outra: a Sarah percebeu que partilhava a minha paixão pelos Estados Unidos. Aquele seria apenas o início de sucessivas aventuras.

 

Voo (ida e volta para Washington D.C., por pessoa): 538 euros, Lufthansa

Autocarro (ida e volta para Filadélfia, por pessoa): 5.5 dólares

Autocarro (ida e volta para Nova Iorque, por pessoa): 10 dólares

Alojamento em Washington D.C. (por noite, para duas pessoas): 64 euros

Alojamento em Nova Iorque (por noite, para duas pessoas): 130 euros